Skip to the content

O ASSALTO

Virgílio Marçal era um português contrabandista aspirante a navegador, ou então um navegador condenado a ser contrabandista. Nunca viajou sem duas coisas; o seu chapéu cinzento e o sonho de um dia encontrar um tesouro.

Lorenzo Lopez, um espanhol solitário e pouco simpático que passava a mercadoria aos contrabandistas, tinha uma afinidade particular por Virgílio. Numa dessas madrugadas de negócios transfronteiriços, Virgílio não encontrou Lorenzo. No seu lugar estava uma carta com o seu nome que continha uma chave e um endereço escrito num pequeno papel: “Rua do Passadiço, 142, Lisboa”. Na aba interior do envelope, a lápis, estava marcado um dia e uma hora, seguido de um apontamento escrito claramente à pressa que dizia: – “Preciso que encontres o mapa no espaço de uma hora. Conto contigo, meu caro amigo.” Mas que mapa era esse que Lorenzo queria que Virgílio descobrisse? E onde estava Lorenzo?

Angustiado e intrigado com o desaparecimento do seu amigo e sem saber o que iria encontrar o nosso navegador/contrabandista partiu para Lisboa.

“Tenho uma hora…”